Blog

8 passos para lidar com o bloqueio criativo

11/09/2019

Criatividade não é um dom divino e sim uma habilidade que pode e dever ser trabalhada. Ela não está apenas no contexto da arte, mas também no nosso dia a dia e na forma como resolvemos problemas. Nós psicólogos precisamos e muito dessa habilidade para o nosso trabalho acontecer da melhor maneira possível.

E se você ainda acha que essa coisa de criatividade não é para você, lembra de quando você era criança e brincava com os lençóis e travesseiros fingindo ser um castelo… ou quando assistia um filme e quando acabava se imaginava dentro dele. (isso acontecia muito comigo hehe)

Certamente você tem um exemplo como esses, não é?

Então para onde foi parar tanta criatividade e espontaneidade? Eu suspeito que está aí guardadinha só esperando ser chamada por você.

Mas vamos combinar que temos dias bons e dias ruins e nem sempre a criatividade nos acompanha nesses dias mais turbulentos, cheios de responsabilidades…

Então trouxe aqui algumas dicas bem práticas para driblar o bloqueio criativo. São sugestões de ações que sempre me ajudam nesses momentos de escassez dessa habilidade.

1. Encontre o seu horário ideal

Percebi que como tenho trabalhado na clínica mais pelos turnos da tarde e noite, percebo que nesses horários eu estou um pouco mais cansada… principalmente quando chega as 21h… parece que nada mais flui e eu só quero assistir alguma série bobinha para desopilar. (Acontece por aí também?)

Então notei que meu melhor horário é de 8h às 10h. É quando a cabeça tá menos cheia e a casa mais silenciosa. É na hora que tudo flui melhor.

Já parou para pensar qual seria seu horário ideal para deixar a criatividade fluir?

2. Elimine distrações

Às vezes nos perdemos em meio a tantas informações, notificações e mensagens… As redes sociais são muito interessantes, mas de vez em quando é importante dar pausas.

Então minha dica aqui é: deixe o celular dentro da gaveta no silencioso, peça para as pessoas da sua casa fazerem menos barulho e não te chamarem naquele horário (e se isso não for possível, que tal ir a um café?). Foque na suas atividades. Sejam elas leituras, estudos ou mesmo produção de conteúdo.

Todas são importantes e merecem sua atenção plena.

3. Buscar e estudar novas referências

Eu adoro estudar temas menos óbvios e que perpassam outros conhecimentos para além da psicologia. Percebo que isso me ajuda muito a ter novas ideias e realizar novas conexões com meu trabalho.

Um bom exemplo disso foi a criação da Mentoria de Carreira da Revire. Antes de anunciar esse serviço, eu li muitos livros e fiz diversos cursos que (em teoria) não tem tanto a ver com a psicologia: Marketing, empreendedorismo, organização financeira, planejamento, etc. Isso me ajudou não só na formulação deste serviço, mas também me ajudou a me sentir mais segura na profissão.

Recomendo muito que você não apenas estude em livros ou artigos, mas também veja vídeos, assista palestras e participe de encontros que envolvam outros saberes. Consuma conteúdo de todas as formas possíveis e se nutra de informações relevantes que podem ampliar sua visão.

4. Sair para papear

Outra maneira de destravar a criatividade é conversar. Quando fazemos esta ação tão simples, conseguimos escutar opiniões diferentes e também nos escutar e elaborar ideias que talvez estivessem emperradas aí.

Um ponto importante aqui é lembrar que se você puder conversar com um amigo bem diferente de você, melhor ainda. Pois você pode ter ótimos insights fora da caixa… fora que papear é muito bom, ne?

Então dá aquela ligada para um colega e marca um encontro e deixe a mente fluir.

5. Faça atividades que mudem o seu contexto atual

Você está tomando banho bem tranquilo e de repente… UMA IDEIA MARAVILHOSA SURGE! Não sei se isso já aconteceu com você, mas comigo é bem frequente… seja tomando banho, passeando com meu cachorro, dirigindo ou mesmo antes de dormir.

Percebe que quando relaxamos parece que as ideias fluem melhor?

Então procure fazer isso intencionalmente. Separa algum momento da sua semana para relaxar. Você pode programar viagens, fazer mindfulness, escutar músicas, meditar… você que sabe. O importante é fechar a agenda com esse compromisso com você mesmo.

Outra dica muito legal que deram uma vez lá no nosso instagram da Revire é: separar um tempinho da manhã, logo assim que você acordar, e escrever uma ou duas páginas de maneira bem livre. Isso tem um nome, se chama Morning pages.

Essa também pode ser uma maneira de relaxar, se você conseguir de fato deixar fluir. Não vale ficar julgando se está bem escrito ou mal escrito. A ideia é sempre deixar fluir meeesmo.

6. Fazer bom uso das ferramentas que estão a nosso alcance

Eu costumo ter boas ideias, mas às vezes deixo para lá esqueço de anotar… pensando nisso procuro anotar sempre algum insight em locais unificados. Por um bom tempo utilizei um caderninho, mas hoje tenho feito mesmo no bloco de notas do celular.

Eu anoto mesmo que a ideia seja mega irreal ou super distante. Algum belo dia com mais tranquilidade eu posso checar essas anotações e moldar meu contexto para que aquilo dê certo.

Isso também serve para ideias de postagens para fazer nas redes sociais :) Mas lembra de sempre deixar todas as ideias em um local só, se não você pode se desorganizar e se desmotivar no meio do caminho.

Outra sugestão é utilizar programas para criar mapas mentais! Eles são tipo um esquema mais visual que nos ajuda organizar ideias e estudar melhor. Você pode utilizar essa ferramenta como preferir.

7. Ter um espaço limpo, organizado e inspirador

Lá vai a louca da organização… hehe Eu sei, mas não podia deixar de falar sobre isso. Um ambiente limpo e organizado é bem convidativo, não é? Então que tal fazer uma organização rápida?

Vá até o seu local de trabalho (pode ser home office ou mesmo no seu consultório) coloque o cronometro para 10 minutos e dê uma geral na sua mesa.

Tire os papéis que não fazem mais sentido, deixe uma água pertinho, pegue seu celular ou computador e pronto. Aposto que essa simples ação já vai te deixar mais relaxado e preparado para as novas ideias surgirem!

Se você puder decorar esse espaço de uma maneira que te inspire, melhor ainda. Pense nos elementos e cores que fazem sentido para você e que podem te estimular.

8. Trabalhe o seu autoconhecimento

Do lado de cá, o bloqueio criativo vem quando não estou muito bem emocionalmente falando… Então não adianta nada realizar todas as dicas acima se você não está procurando entender a raiz do problema.

Comece com algumas perguntas básicas: Por que estou paralisado? Houve algum gatilho para isso? Que sentimentos estão passando por aqui nesse momento?

E claro, que a psicoterapia sempre pode te ajudar a compreender tudo isso melhor e de maneira mais profunda.

Preciso fechar esse post falando que a criatividade só vem para quem de fato se abre para ela. Então você precisa antes de mais nada, acreditar que consegue, beleza?

Criatividade não é um talento. É uma forma de operar. – John Clesse


Se esse conteúdo fez sentido para você, compartilha com seus amigos! Assim nossa rede aumenta e posts produzidos aqui podem alcançar mais gente 🙂

Ana Cecília Coelho

Ana Cecília Coelho

Psicóloga Clínica

CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Receba nossos textos por e-mail com reflexões, insights e dicas para a carreira do Psicólogo.

Romae