Blog

Me formei, e agora??

05/09/2018
Se você é recém formado, sabe das angustias e receios dessa fase. Aqui na Revire, acreditamos que devemos sempre compartilhar mais informações e dicas para que nossa profissão possa crescer e alcançar mais gente. Então vem conferir algumas dicas valiosas sobre essa fase profissional.

 

Quando a gente se forma são tantas ansiedades e incertezas. Bate logo aquele pensamento: Será que eu estou mesmo pronto (a)?

Hoje venho falar sobre o porquê dessas inseguranças e 3 erros comuns dos recém-formados.

Por que temos tanto medo no início?

A graduação costuma ser bem abrangente e nos dá várias possibilidades quanto a teoria. Estudamos várias abordagens, vários autores. Livros antigos, livros atualizados… fazemos pesquisas, fazemos grupos de estudo… apresentamos trabalhos acadêmicos e procuramos entender ao máximo as abordagens para fazer a nossa escolha.

Mas a verdade é que ainda sim ficamos com medo… Apesar de sair com uma boa bagagem de conhecimento, a questão prática, costuma a deixar a desejar.

Fora tudo isso, ainda escutamos muitos dos colegas ou professores que o mercado tá complicado, tem muito psicólogo atuando.

Escutei bastante também que precisaria investir muitos e muitos anos para conseguir finalmente ter retorno. Ou seja, faz todo o sentido a gente sair todo nervoso da graduação, não é mesmo?

 

Erros comuns dos recém-formados:

  1. Querer tudo para ontem.

Quando recebemos o diploma e CRP, estamos cheios de empolgação no peito, na expectativa de ganhar dinheiro, ser reconhecido, mas normalmente a gente se frustra. Pois as coisas têm o seu tempo. Nem sempre é no tempo exato que a gente quer. O processo de ganhar reconhecimento e aumentar a renda, vai proporcional ao tempo do nosso investimento, experiência, contatos, divulgações, indicações… existem vários fatores que precisam ser pensados e diariamente alimentados, compreende?

  1. Não se conhecer.

Sabe aquele psicólogo que quer fazer de tudo um pouco? Todos os serviços, todas as demandas e públicos. Por mais que a gente goste de muitos temas e públicos, sempre tem um ou dois que afloram mais. Por isso é tão importante se conhecer e compreender o que faz mais sentido naquele momento. Por que não investir em estudos e divulgação com algum direcionamento? Se você se enquadra nesse exemplo, será que esse início não seria um bom momento para contratar profissionais (orientação profissional, mentorias, coaching) para te auxiliar nesse processo de descobertas?

  1. Investir apenas em teoria.

Fazer VÁRIOS cursos somente voltados para teoria e abordagens é um erro muito frequente. Eu já passei por ele, por sinal. Nesse seu momento inicial, o ideal é buscar cursos que promovam novas ferramentas e novos olhares distintos do que você viu durante os 5 anos de graduação. É bacana também pensar o que hoje te falta hoje de conhecimento. Às vezes é o manejo com as redes sociais ou entender melhor da organização financeira. Dê atenção aos saberes que te estão defasados por aí. Será que investir em mais abordagem e teoria é o que de fato você precisa no momento?

Uma dica preciosa…

Você sempre pode mudar. Você pode trocar de ideia, de área e de abordagem! Não é tempo perdido, não é conhecimento perdido. Tudo o que você estudou e desenvolveu até aqui teve seu valor.

Percebe que quando a gente pensa assim, tira um pouco do peso da nossa própria cobrança?

Somos humanos, erramos, repensamos, evoluímos assim. Se eu pudesse te dar uma bela sugestão é: tente se cobrar menos e siga seu caminho com tranquilidade e constância. As coisas vão se acertando.

Ana Cecília Coelho

Ana Cecília Coelho

Psicóloga Clínica

CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Receba nossos textos por e-mail com reflexões, insights e dicas para a carreira do Psicólogo.

Romae